Consciência Negra

Minha consciência negra
É a expansão da arte
Feita por aqueles
Que sentem a ancestralidade africana
em seu âmago
Todos os dias
Herdada em milênios.

Minha consciência negra
Atravessa os horizontes,
Ultrapassa as estatísticas,
Vira o jogo.
Promovendo reparações
E assumindo o que lhe é por direito.

Minha consciência negra
Não depende do seu olhar,
Ela advém de referências outras:
Aqualtune, Dandara, Elisa,
Lélia, Beatriz, Carolina,
Conceição, Hildália, Vilma.



Para dentro de mim,
E no abraço com as irmãs

Nessa luta milenar.

Ana Fátima

Disponível em Cadernos Negros - poemas afro-brasileiros, volume 39. São Paulo: Quilombhoje, 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seios de negra (por Solano Trindade)

Projeto Pé de Poesia - SALVADOR

Águas de Dandalunda