Não é assim

Não tem porquê
A sociedade é quem cria
A polícia é quem manda
O povo oprimido nas favelas é quem move

E você,
Vê tudo de sua tevê
Vê e não sabe viver
Nem criar um cordão sanitário
Para impedir os limpos e certos da CPI de 2001

Não é assim
Tem que reagir
Temos que nos unir
Para atingir
A vitória e seguir
A felicidade que se quis

E eu,
Estou aqui pra mostrar
A minha realidade
Para você e todo mundo parar
Pra pensar

O que será do futuro
Que sonhamos no passado
E destruímos no presente?

Não me siga
Porque assim como você
Eu também estou sem rumo
Levando chumbo,
Cortando os pulsos

No meio dessa civilização
Eu encontrarei o infinito
E eu decidirei meu caminho

(me impuseram o infinito
Ele está: ou no norte ou no sul
Meu fim termina aqui)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Conceição Evaristo em Salvador

MAFRO traz a Salvador exposição sobre a dança do Congo