A cartilha da autora século XXI

De mim, muito algo a desenrolar...
Ser mulher é cheirar a ferida aberta
Pulsar a flecha certeira
Palmatória do mundo a acabar.
Profissão escolhi,
Estudos cumpri,
Casa vigiei e arrumei.

Mas meu deleite é outro:
Letras a bailar
Em papéis, telas e folhas;
Perpetuar nas cabeças
A alma de minhas histórias.
Carregar pedras
Para traduzir sentimentos e desejos:
Mandamentos de autora!
Pedras escritas e relidas

Compromisso em ser mulher
É reler e desdobrar
A hélice das tramas de meus ancestrais
Sem beber o amargor

Do chicote malfeitor.

Publicado na Antologia Poética Mulher Poesia, pela COGITO, 2016, p.16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seios de negra (por Solano Trindade)

Tranças em Dança

Águas de Dandalunda