A cartilha da autora século XXI

De mim, muito algo a desenrolar...
Ser mulher é cheirar a ferida aberta
Pulsar a flecha certeira
Palmatória do mundo a acabar.
Profissão escolhi,
Estudos cumpri,
Casa vigiei e arrumei.

Mas meu deleite é outro:
Letras a bailar
Em papéis, telas e folhas;
Perpetuar nas cabeças
A alma de minhas histórias.
Carregar pedras
Para traduzir sentimentos e desejos:
Mandamentos de autora!
Pedras escritas e relidas

Compromisso em ser mulher
É reler e desdobrar
A hélice das tramas de meus ancestrais
Sem beber o amargor

Do chicote malfeitor.

Publicado na Antologia Poética Mulher Poesia, pela COGITO, 2016, p.16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seios de negra (por Solano Trindade)

Projeto Pé de Poesia - SALVADOR

Águas de Dandalunda