[ Sem título]

Talvez eu não quisesse isso
talvez isso me quisesse constantemente
com força tal que ninguém impediria.
Sei que não devo querer,
mas também não disse que quero.
Queria isso ser de menor intensidade
cada dia mais como está sendo agora.
Não desprezo a dor de quem sente isso;
mas também não a quero para sempre.
Deseje o melhor pra mim, porque pior
não posso eu desejar.
Argumente no meu ponto de vista se for capaz.
Eu espero ter o seu desempenho,
seua coragem,
sua garra, etc.
Eu não tenho mais e permito agora
que o vento me leve,
me lave,
me limpe.

Fátima dos Santos
05/2003 - tarde conversada com meu amigo, e sempre querido, Éder Santiago.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seios de negra (por Solano Trindade)

Tranças em Dança

Conceição Evaristo em Salvador